terça-feira, 10 de maio de 2016

FATO - PARABÉNS FILHO

PARABÉNS FILHO
Pintura Mediúnica - 
Médium : Eunice <> Centro Espírita Seara de Luz - Iporá - GO
Realizado nas dependências do Centro Espirita Amor e Fraternidade - Catanduva - SP


De repente, a motivação para esta página. Um episódio ocorrido no dia 07/05/2016, no Centro Espírita Amor e Fraternidade. Véspera do dia das Mães e ante-véspera do meu  aniversário.

Setenta anos de vida!  Não me lembro de que em aniversário algum minha Mãe não me tenha cumprimentado, este seria o primeiro. Se eu não a visitava dela eu recebia uma ligação telefônica com o objetivo único de parabenizar-me.

No final desta semana, como hábito, comemorávamos o dia das Mães. O Centro Espírita Amor e Fraternidade, em mais um ano, contemplava a magnitude Divina homenageando as Mães.

Na pauta, um elo a mais. Para que a tarde fosse festiva, comemoraríamos meu aniversário que transcorreria na segunda-feira imediata: estávamos nos reunindo no sábado.

Adentrei no Centro, onde confrades e confreiras já se faziam presentes. Caminhava por um corredor aberto e que me levaria ao espaço coberto onde nos reuniríamos. Algumas crianças estavam perfiladas e sorridentes, naquela passagem; seriam dez, doze ou quinze, talvez. Pisei “em ovos” para não tropeçar nos pequeninos que me cercavam ao passar por eles. Grato prazer naquele corredor: eu visualizava crianças em toda a sua extensão, mais espíritos do que encarnados. Lembro-me, agora,  do Evangelho e da multiplicação dos Pães e Peixes: Vi, eu diria, ao todo, quase uma centena de sorridentes crianças. Bendita clarividência.

A tarde foi festiva. João Paulo e Alexandre, amigos lá de Barretos, presentes ao evento, por simpatia, nos trouxeram belas cantorias da musica sertaneja. Pudesse, os teria sempre a alegrar nossas reuniões festivas.

Em todos, a expressão de felicidade lhes estampava o rosto.

A oratória seria de improviso, nada havíamos programado que não fosse a expressão pura dos sentimentos. 

Emocionado e já embevecido pedi ao Marcos iniciasse a oratória fazendo as homenagens as Mães pela data. Falava ele com propriedade, quando desdobrado fui “arrebatado” aos céus e para minha felicidades estava sendo transportado em espirito à presença daquela que fora minha Mãe em vida, falecida aproximadamente há um ano. 

Um abraço pelo seu dia, disse-lhe eu. Ela, como sempre o fizera em vida, me respondeu: Parabéns Filho. 

Assim, dela, mais um ano recebi suas felicitações pelo meu aniversário.

domingo, 27 de dezembro de 2015

FILME - O MISTÉRIO DA LIBÉLULA

Este filme tem como fundo de espiritualização o EQM - Estado de Quase Morte - ou Experiência de quase morte. O médico Joe Darrow-( Kevin Costner) acaba de perder a esposa, também médica, em um acidente na Venezuela. Ainda de luto, ele passa a cuidar dos pacientes de sua mulher e através deles, recebe mensagens que supostamente foram enviadas por ela. Confuso, ele segue as pistas para descobrir esse grande mistério.

O que é EQM na visão do Espiritismo Kardecista.A experiência de quase morte ou EQM refere-se a um conjunto de visões e sensações frequentemente associadas à situações de morte iminente.Neste instante,  algumas pessoas escutam o médico declarar sua morte, possuem a sensação de estarem em um lugar extremamente escuro, encontram-se como se estivessem olhando para o seu próprio corpo, passam rapidamente através de uma espécie de túnel em direção a uma luz e se deparam com seres que são tomados por Deus, sentindo-se seguros e felizes.Também é frequente pacientes que veem pessoas conhecidas e recapitulam rapidamente detalhes do seu passado. Em seguida,  ocorre o retorno para o corpo, nem sempre com satisfação. Fonte: Grupo de Estudos Allan Kardec

Cientificamente, o termo experiência de quase morte (ou EQM) refere-se a um conjunto de visões e sensações frequentemente associadas a situações de morte iminente, sendo as mais divulgadas a projeção da consciência (também chamada de "projeção astral", "experiência fora do corpo", "desdobramento espiritual", "emancipação da alma", etc.), a "sensação de serenidade" e a "experiência do túnel". Esses fenômenos são normalmente relatados após o indivíduo ter sido pronunciado clinicamente morto ou muito perto da morte, daí a denominação "EQM".[1] [2] O termo "experiência de quase morte" (emfrancês, "expérience de mort imminente"), foi proposto pelo psicólogo e epistemólogo francês Victor Egger em 1896 em "Le moi des mourants" como resultado das discussões no final século XIX entre filósofos e psicólogos, relativamente às histórias de escaladores sobre a revisão panorâmica da vida durante quedas.[3] O interesse popular pelas EQMs se iniciou devido principalmente ao trabalho do psiquiatra e parapsicólogo norte-americano Raymond Moody em seu best seller Vida Depois da Vida (1975).[4]
Fonte:wikipédia

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

FILME - ANTES QUE TERMINE O DIA

De inicio, o filme apresenta uma situação de conhecimento antecipado de um trágico fato. Em algum momento é mencionado que o fato futuro conhecido é característico do  Déjà Vu. Achamos interessante questionar sobre  o que possibilita conhecer uma situação futura: Mediunidade de Premonição ou Déjà Vu.

Premonição é a sensação ou advertência antecipada do que vai acontecer, é sinônimo de pressentimento. É circunstância ou fato que deve ser tomado como aviso; presságio. A palavra é muito conhecida devido à literatura e aos filmes que a têm como tema principal, explorando a capacidade sobrenatural de se prever o futuro. O termo premonição ou sonhos premonitórios (sonhos de advertência ou aviso) é utilizado para designar a suposta ocorrência de avisos sobre acontecimentos futuros, freqüentemente associados a fatos calamitosos em natureza. As informações são recebidas via experiência mediúnica individual (contato da consciência com a 4ª dimensão do mundo, uma dimensão não material, atemporal) ou através dos sonhos.

Déjà Vu é um galicismo que descreve a reação psicológica da transmissão de ideias de que já se esteve naquele lugar antes, já se viu aquelas pessoas, ou outro elemento externo. O termo é uma expressão da língua francesa que significa, "Já visto".

Fonte: Wikipédia

domingo, 29 de novembro de 2015

FILME - MORTE...DE VOLTA DA MORTE - BASEADO EM FATOS REAIS

Embora o filme não apresente uma boa nitidez e um bom som, como apoio a quem gosta ou estuda as Experiências de Quase Morte - EQM - se constitui em um excelente material de apoio.


domingo, 22 de novembro de 2015

VÍDEO - EDGAR CAYCE - O PROFETA ADORMECIDO

Observando o vídeo, não tenho dúvidas de que as situações configuram, na literatura kardecista,  a Emancipação da Alma. Um pouco mais observadas, sugerimos uma dissertação lógica como Sonambulismo, Êxtase, Catalepsia ou Letargia. Vale a pena apreciar o conteúdo.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A VIDA CONTINUA



A morte não é nada.
Apenas passei  ao outro mundo.
Eu sou eu. Tu és tu.



O que fomos um para o outro ainda o somos.

Dá-me o nome que sempre me deste.
Fala-me como sempre me falaste.
Não mudes o tom a um triste ou solene.
Continua rindo com aquilo que nos fazia rir juntos.
Reza, sorri, pensa em mim, reza comigo.
Que o meu nome se pronuncie em casa
como sempre se pronunciou.

Sem nenhuma ênfase, sem rosto de sombra.
A vida continua significando o que significou:
continua sendo o que era.

O cordão de união não se quebrou.
Porque eu estaria fora de teus pensamentos,
apenas porque estou fora de tua vista?

Não estou longe,
somente estou do outro lado do caminho.
Já verás, tudo está bem.
Redescobriras o meu coração,
E nele redescobrirás a ternura mais pura.

Seca tuas lágrimas e se me amas,
não chores mais.

Autor desconhecido.


segunda-feira, 1 de junho de 2015

VÍDEO MOTIVACIONAL - PODER ALÉM DA VIDA.


Não conseguimos editar este vídeo; provavelmente o bloqueio autoral é que nos impossibilita. Contudo, fazemos sugestivamente a indicação para Você que nos visita neste momento. O vídeo é rico em ensinamentos espiritista e com fundo espiritualista. Nossa observação é a de que pode ser levado por um caso de Agênere ou,  na menor das probabilidades, como uma situação de profunda clarividência. 

Poderão ter vários caminhos, mas para facilitar explore, sugestivamente, o Google. Digitando: Video Motivacional - "Poder Além da Vida".

sábado, 9 de maio de 2015

MÃE, VERDADEIRO AMOR - PSICOGRAFIA

Ser Mãe é assumir perante Deus o dom da criação, da doação e do amor incondicional.

Ser mãe é encarnar a divindade na Terra



MARIA MADALENA
      Este é o simbolismo de uma digna criatura que esteve com Jesus.
     Quando tantos estão pensando em Maria, esta esteve próximo ao Mestre e com toda a sua ternura o eleva em sentimentos a Deus.
     Mas o que dizer se, naquele tempo, não era a expressão altamente gloriosa que hoje poderíamos esperar.
     Não fora Maria, mas Madalena que, com todo o seu amor, enaltecia Jesus.
Hoje, quantas Amélias e Rosas Marias estão a zelar e amar os menos afortunados. Sim,  quantas não sendo Marias estão glorificando eletivas criaturas ao seio do Senhor!
     Oh! Mães que não são conhecidas por terem gerado filhos, mas que os acolhe como Maria Madalena ao coração. Sim, frutos de um elevado amor que não se perde ao tempo, mas se firma na vida material e se consolida na espiritual.
     Oh! Amélias, Rosas Marias e outras de nomes anônimos, aos olhos de Deus, ao amor de Jesus, todas vós são e serão Marias, pois a criação não gerada é aquela que mostra não somente o amor coloquial de um útero, mas da mesma e mais formas soma-se a ela o sentimento que glorificara um ser em vida e na promessa da bem aventurança e esperança.
     Que Deus, pois seja a paternidade às mães de todos os filhos, sejam Marias ou Amélias, Rosas Marias ou Madalenas.
     A todas que estão nestes dizeres, resta-nos somente expressar os cumprimentos fraternos e altivos, pois o sentimento do coração ou o espaço uterino somente demonstra a força do amor e elevação.
     Parabéns a todas, com louvor!
                                                                                         Irmã Aurora

Psicografia de A.C. Ribeiro
Espírito Irmã Aurora
Centro Espírita Amor e Fraternidade – Sessão 5/5/2015  



Obs. >                                                   Maria de Magdala


  Maria Madalena é assim chamada por ser de Magdala, aldeia de pescadores que ficava na costa oeste do mar da Galiléia, próxima a cidade de Tiberíades. O Novo Testamento nos relata que Cristo expulsou dela sete demônios (Marcos 16.9; Lucas 8.2) e depois ela se tornou uma das mulheres que acompanharam e seguiram a Jesus (Lucas 8.2-3). Junto com outras mulheres, permaneceu aos pés da cruz (Marcos 15.40; Mateus 27.56; Lucas 23.49; João 19.25) e assistiu ao sepultamento do Mestre (Mateus 27.59-69; Marcos 15.46-47; Lucas 23.55,56). Deixando passar o sábado, que era dia de descanso, Maria vai, na madrugada de domingo, aplicar especiarias no corpo de Jesus, conforme o costume, e se torna a primeira testemunha da ressurreição de Cristo (Mateus 28.1-8; Marcos 15.1-19; Lucas 24.1-10; João 20.1-18).

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

FILME - UMA JANELA PARA O CÉU

Filme de 1975, com Marilyn Hassett e Beau Bridges. Baseado na história real de Jill Kinmont, passada em 1955, quando a jovem Jill, então com 18 anos de idade, revela-se um enorme talento para o esqui e aposta certa para vencer os Jogos Olímpicos de Inverno de 1956. Mas acontece uma fatalidade: Jill por pouco não perde a vida após uma queda brutal na neve, mas fica paralisada do pescoço para baixo. Ainda que esteja impedida de praticar esportes para sempre, Jill agora tem uma outra batalha: viver e conviver com sua deficiência. Para isso ela vai contar com a ajuda de amigos, dos pais e parentes.


domingo, 1 de fevereiro de 2015

VÍDEO - ABORTO > VISÃO ESPIRITA - LE 358

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 1 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 2 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 3 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 4 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 5 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 6 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 7 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

VIDEO - ESTUDO DO PERISPÍRITO - PARTE 8 / 8 > DR. ZALMINO ZIMMERMANN

domingo, 28 de dezembro de 2014

BENFEITORES DA HUMANIDADE - OS CAMINHOS DE PAULO DE TARSO - 1/5

BENFEITORES DA HUMANIDADE - OS CAMINHOS DE PAULO DE TARSO - 2/5

BENFEITORES DA HUMANIDADE - OS CAMINHOS DE PAULO DE TARSO- 3/5

BENFEITORES DA HUMANIDADE - OS CAMINHOS DE PAULO DE TARSO - 4/5

BENFEITORES DA HUMANIDADE - OS CAMINHOS DE PAULO DE TARSO - 5/5

VÍDEO - PRECES: > ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

VÍDEO - PRECES: > PRECE DE CÁRITAS -

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

VIDEO - PROGRAMA II - PINGA FOGO > COM CHICO XAVIER

VÍDEO - MACHU PICCHU >Documentário Completo

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 1/8

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 2/8

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 3/8

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 4/8

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 5/8

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 6/8

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 7/8

VÍDEO - A REVELAÇÃO DAS PIRAMIDES 8/8

MENSAGENS DE LUZ - CONFIA SEMPRE - NA VOZ DE CHICO XAVIER

ARQUIVO ESPECIAL - CHICO XAVIER - PARTE 1 DE 4

ARQUIVO ESPECIAL - CHICO XAVIER - PARTE 2 DE 4

ARQUIVO ESPECIAL - CHICO XAVIER - PARTE 3 DE 4

ARQUIVO ESPECIAL - CHICO XAVIER - PARTE 4 DE 4

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

TEORIA - LEI DA AÇÃO E REAÇÃO


LEI DA AÇÃO E REAÇÃO





 “Crise, tribulação, instante de agonia,
Desilusão, tristeza e dissabor
São medidas de amor
Com que o Céu nos protege, dia-a-dia.”
Maria Dolores

Todos nós vivemos neste universo infinito, criado por Deus, o nosso Pai. Conseqüentemente, tudo e todos estão sujeitos às suas Leis, ou como ainda falam alguns: às leis da natureza.

Uma dessas “leis naturais” é a conhecida Lei de Ação e Reação, a famosa terceira lei de Newton: “A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade: ou as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em sentidos opostos.”

Outra lei natural é a Lei de Causa e Efeito, a qual não foi descoberta, mas revelada para todos nós, de forma aceitável, através da Doutrina Espírita, no século XIX. Essa lei é bem discutida nos livros da Codificação Espírita, sobretudo nos seguintes livros: O Livro dos Espíritos, O Evangelho Segundo o Espiritismo e O Céu e o Inferno. O conhecimento da Lei de Causa e Efeito é bastante importante para que possamos compreender o amor de Deus. Em verdade, o entendimento claro e racional dessa lei tem o potencial de fazer com que nós ajamos em concordância com o Amor. Em outras palavras, a compreensão da Lei de Causa e Efeito pode nos ajudar a tomarmos decisões sábias, em nossas existências, e, conseqüentemente, a evoluirmos de forma mais eficiente.
O princípio desta Lei, ensinado pelos espíritos, diz que quando há abuso do livre-arbítrio a causa e o efeito estão na pessoa: quando se faz o bem ou o mal, a causa está em na pessoa, e o efeito também.
 Claramente, tais leis têm um princípio semelhante: entretanto são leis diferentes. A semelhança entre essas leis se baseia no fundamento de que, para cada ação, existirá uma reação; e, para cada causa, tem-se um efeito. Esse fundamento é algo lógico, para tudo na vida; entretanto, as maneiras como a Lei de Causa e Efeito e a Lei de Ação e Reação se processam são completamente diferentes.
 Aristóteles afirmava que "uma pedra de granito poderia se transformar numa estátua desde que um escultor se dispusesse a esculpi-la". Poderia usar infinitos exemplos, porém, contentar-me-ei apenas com um: se uma pessoa de tez branca ficar exposta à irradiação solar, sem proteção alguma, por horas e horas, ela estaria sujeita a dois tipos de efeitos possíveis: os efeitos determinísticos (1) que são os que aparecem imediatamente, como queimadura e insolação, e os efeitos estocásticos (2) que podem se manifestar ou não, como o câncer.
Nosso propósito não é voltado ao físico inglês, tão pouco a abrangência de causa ou efeito, mas voltado aos estudos que a doutrina espírita nos oferece sobre a Lei da Ação e Reação, ou do Karma segundo outros, razão pela qual, de início, buscamos no Dicionário Aurélio o entendimento etimológico de ação e reação.    

Ação - Processo que decorre da natureza ou do procedimento de um ser, o agente, e de que resulta criação ou modificação da realidade.
Reação - Ato ou efeito de reagir. Resposta a uma ação qualquer por meio de outra ação que tende a anular a precedente. Força que se opõe a outra: luta, resistência.

Ao empreender este estudo temos em vista autenticar um dos mais fascinantes aspectos da Lei da Reencarnação, nos seus entrosamentos com o karma.
Aquele que entende a lei do karma, assim denominada no oriente, que constitui também a lei da ação e reação, conforme é habitualmente chamada nos países cristãos, é na verdade um homem  sábio.
·      O “Karma”, o “destino” ou o termo espírita “ação e reação”, quando entendidos sob este rigoroso ponto de vista, limitam o processo participativo do indivíduo em seu progresso pessoal.
Equivocadamente nóos acostumamos a projetar a responsabilidade que nos cabe aos outros. Aceitando o destino rigidamente determinado responsabilizamos Deus pelas conseqüências de nossos atos.
O espiritualismo que permeia os conceitos espíritas traz em seu bojo diversas questões políticas e sociais  que precisam ser bem interpretadas para que estas idéias não venham a ferir o raciocínio critico preciso dos conceitos ditados a Allan Kardec pelos espíritos.
O que aqui se faz aqui se paga?
·      Sim. Desrespeitando-se as leis, estas, em desarmonia, giram em torno dos infratores, até que eles venham reorganizá-las. Todo mal que fazemos é mal que produzimos a nós mesmos. Os erros que aqui engendramos nos perturbam e devemos resgatá-los aqui mesmo, na Terra, reeducando-nos.
·      Ninguém agride impunemente a harmonia universal sem que lhe seja exigida a devida reparação a iniciar-se pelos processos das culpas instaladas nos escaninhos mais íntimos da própria consciência que, de forma impostergável, exigira a reparação ceitil por ceitil.
·      Todos os Espíritos estão submetidos às leis da natureza, cuja regência é exercida conforme o grau de conhecimento e responsabilidade de cada um ao praticar uma ação qualquer. Como a cada ação corresponde uma reação, atuando no bem ou no mal o Espírito não consegue evadir-se da lei, que abrange qualquer fenômeno material ou moral.
Se cada Espírito está a cada dia em modificação do seu carma, temos que o homem constrói a cada hora o seu futuro, assim como a família, o país, o continente e a humanidade. Tudo é transformação. O mundo de  há um minuto não é o mesmo de agora.

Família

·      Normalmente, antes do mergulho do corpo carnal, o Espírito reencarnante estabelece intercâmbio com os futuros genitores, de cujo concurso necessitam para o cometimento a empreender.
Os filhos não chegados pela via normal, não obstante, alcançarão a casa dos sentimentos negados, utilizando-se de sutis recursos da Vida, que reaproximam os afins pelo amor ou pela rebeldia quando separados, para as justas reparações.
Chegarão a outros tetos, mas dali sairão atraídos pelas necessidades propelentes ao encontro da família que lhe é própria, nem sempre forrados em objetivos relevantes...
- Alguém que te chega, perturbando a paz...
- Outrem que te rouba pertences e sossego...
- etc. – todos eles estão vinculados a ti.

Dor  e Karma

·      A dor nem sempre deve ser encarada assim, de modo tão radical, pois nem sempre é resgate de faltas, mas sim um processo de aperfeiçoamento ou de técnica retificadora, sendo que em muitos casos é apenas o efeito da causa, do ato sobre o meio em que o espírito atua. Se considerarmos a dor exclusivamente como resgate de delitos passados, teremos de procurar a origem  do sofrimento de todos os animais e mesmo de muitos missionários e instrutores religiosos que suportam o sofrimento para nos indicar a senda da Verdade.
Embora não esteja expiando culpas do passado, é certo que o cão morre triturado sob as rodas dos veículos; o boi tanto sucumbe nos matadouros como em conseqüência de moléstias, enquanto os ratos morrem acossados pela peste ou caçados impiedosamente nos cantos sombrios dos velhos casarões. Desde que se admita o carma como a lei mosaica do “olho por olho e dente por dente” é evidente que termos de supor que Jesus, pelo fato de ter sido crucificado deveria estar resgatando delitos do passado.
O pianista que pretende alcançar êxito na sua carreira artística, ou o cantor que deseja a gloria do sucesso lírico, sem dúvida terá que se entregar completamente ao seu treinamento e cultura musical; há de se fatigar inúmeras vezes, vivendo entre as angústias do êxito e do fracasso, sem que tudo isso queira dizer que se submeteu a um sofrimento para resgate  de faltas! Há um determinismo, nesse caso, mas é apenas efeito da arte a que o indivíduo se dedicou, a qual, por ser elevada, exige sacrifícios, aflições, desconforto e aproveitamento criterioso do tempo.
Qual o sentido da vida material, senão o de um disciplinado experimento, para que o animal seja domesticado em suas paixões grosseiras, dando lugar ao anjo glorioso dos planos edênicos? Através da dor, que tanto atemoriza os seres humanos, opera-se um aperfeiçoamento, pois as formas inferiores terminam adquirindo qualidades superiores. Na dor mineral, o carbono bruto se transforma em cobiçado brilhante; na dor vegetal, a videira podada se cobre depois de flores e frutos sazonados. Na dor animal, as espécies inferiores alcançam a figura ereta do homem e, na dor humana, o homem se transfigura em anjo eterno! Em verdade, tudo isso não passa de um  processo benéfico e sublime disciplinado pela técnica que transforma o inferior em superior.
·      O que se origina do karma não tem cura; tudo o que é curável não é carma. E como não sabemos distinguir o que é mal cármico daquele que não o é, temos o dever de lutar para obter a cura do mal que nos aflige; mas enquanto ela não vem, sofrer resignadamente.
·      Quando o perispírito traz em sua matriz a doença ou deficiência naquele órgão, devido aos desatinos do passado, no qual o Espírito se comprometeu perante a lei. Pode ser o coração do colérico, o fígado do alcoólatra, os pulmões do fumante... Devido ao problema cármico, o próprio organismo rejeita o órgão transplantado, porque já se adaptara se programara para abrigar um órgão deficiente. A matriz perispiritual do órgão é comprometida, e mesmo que seja removido o órgão doente e substituído por um outro sadio, não havendo a interferência da equipe espiritual atuando em conjunto com a equipe médica encarnada, em nenhum resultado prático redunda o transplante, visto que os técnicos não interferem na lei cármica.
·      O perispírito do homem animalizado, cujo teor dos pensamentos se caracteriza pelo egoísmo, ódio, sensualidade e similares, tornam-se impregnado de fluidos densos, cuja fuligem tóxica, aderente e nociva, superpõe-se em camadas, a exigir drenagem para clarificar-se. Quando esse fluído “petrificado” através dos séculos é atraído pelo magnetismo natural do corpo físico, que funciona qual esponja absorvente ou redutora de densidade, afeta o tônus vital da célula, trazendo como conseqüência imediata a redução nas funções de captação do fluido vital, do teor de oxigênio, forçando-a a sobrecarga de carbono, com efeito lesivo para o seu núcleo. Sobressai-se o processo cancerígeno, no ponto mais frágil ou vulnerável do organismo. Movidas pelo instinto de conservação, essas células deficitárias multiplicam-se desarmoniosamente, na ânsia de reter o oxigênio escasso. Obedecem à mesma lei da multiplicação de hemácias, quando o indivíduo passa a habitar grandes altitudes, onde o oxigênio é deficiente.
·      Para melhor entender o “karma” ou “conta do destino criada por nós mesmos” convém lembrar que o Governo da Vida possui igualmente o seu sistema de contabilidade, a se lhe expressar no mecanismo de justiça inalienável. Se no círculo das atividades terrenas qualquer organização precisa estabelecer um regime de contas para basear as tarefas que lhe falem à responsabilidade, a Casa de Deus, que é todo o Universo, não viveria igualmente sem ordem. 
A história de Lenita, em Violetas na Janela

Desencarnei há muitos anos, fui assassinada. Foi bem triste e cruel. Sofri muito. Estava noiva, amava e era amada. Ao voltar do trabalho, à tardinha, sozinha, um homem me rendeu, me amarrou, tampou minha boca e me levou para um local isolado. Estuprou-me e feriu-me com uma faca, largando-me num buraco. Desencarnei com muita dor e agonia. Socorristas me desligaram e levaram para um Posto de Socorro. Julguei que ainda estava viva, encarnada, não acreditei, não queria nem pensar que desencarnara, iludi-me de tal modo que até esqueci o que acontecera, só queria sarar e voltar para perto dos meus. Como não me levaram, fugi, fui para a casa terrena. Decepcionei-me muito e fiquei magoada. Nada era como antes, meu noivo nem sentiu minha falta como eu pensei. Já namora outra. Comecei a enlouquecer. Meus ferimentos voltaram, triste, fiquei a vagar. Só então entendi que desencarnara, pedi a Deus ajuda com sinceridade. Novamente fui socorrida. Desta vez, sem ilusão, magoada e triste, tive que fazer um mongo tratamento para me recuperar. Estava revoltada com a maldade, a lembrança do acontecimento bárbaro fazia-me entrar em crise de desespero. Foi necessário recordar parte do meu passado, de uma outra existência, onde vi a ação que fiz para ter esta reação. Fui, no passado, distante um mercador de escravas jovens e bonitas, negociava-as para homens de maus instintos.

Livre Arbítrio

·      Pelo estudo da situação dos Espíritos sabe o homem que a felicidade e a desgraça na vida espiritual são inerentes ao grau de perfeição e de imperfeição; que cada um sofre as conseqüências diretas e naturais de suas faltas. Por outras palavras, que é punido naquilo em que pecou; que essas conseqüências duram tanto quanto a ação que as produziu; que, assim, o culpado sofreria eternamente, se eternamente persistisse no mal; mas que o sofrimento cessa com o arrependimento e a reparação. Ora, como de cada um depende a própria melhora, em virtude do livre arbítrio, cada um pode prolongar ou abreviar os seus sofrimentos, assim como o doente sofre as conseqüências de seus excessos, enquanto nestes não puser um termo.
·          Se o homem se submetesse rigorosamente às leis divinas, evitaria, sem dúvida, os mais acerbos males, e viveria feliz sobre a Terra. Se não o faz, é em virtude de seu livre arbítrio, e disso sofre as conseqüências.
O Bem e o Mal
640. Aquele que não pratica o mal, mas que se aproveita do mal praticado por outrem, é tão culpado quanto este?
“É como se o houvera praticado. Aproveitar do mal é participar dele. Talvez não fosse capaz de praticá-lo; mas, desde que, achando-o feito, dele tira partido, é que o aprova; é que o teria praticado, se pudera, ou se ousara.”
·      Quem se aproveita do ambiente propício ao mal e o pratica, recebe da lei as corrigendas; se vive pensando na desarmonia dos outros, certamente ela passa a ser gerada dentro de si mesmo.
As oportunidades que surgem para cometer faltas, quando aproveitadas pelo violento, é problema de sintonia. O mal está dentro dele, pela presença da ignorância. Estejas certo de que não deves interessar-te pelo mal, seja ele qual for. Nós fomos feitos por amor. Deus é a perfeição e não iria nos fazer propensos ao mal.
·      O bem é o progresso e a felicidade, a segurança e justiça para todos os nossos semelhantes e para todas as criaturas de nossa estrada, aos quais devemos empenhar as conveniências de nosso exclusivismo, mas sem qualquer constrangimento por parte de ordenações puramente humanas, que nos colocariam em falsa posição no serviço, por atuarem de fora para dentro, gerando, muitas vezes, em nosso cosmo interior, para nosso prejuízo a indisciplina e a revolta. O bem será, desse modo, nossa decidida cooperação com a Lei, a favor de todos, ainda mesmo que isso nos custe a renunciação mais completa, visto não ignorarmos que, auxiliando a Lei do Senhor e agindo de conformidade com ela, seremos por ela ajudados e sustentados no campo dos valores imperecíveis.
· O mal será sempre representado por aquela triste vocação do bem unicamente para nós mesmos, a expressar-se no egoísmo e na vaidade, na insensatez e no orgulho que nos assinala a permanência nas linhas inferiores do espírito.

Oração Dominical

·      Cada infração das vossas leis, Senhor, é grave ofensa contra vós e é uma dívida contraída, que havemos de resgatar. Pedimos o indulto da vossa misericórdia, sob promessa de nos esforçarmos por não contrair novas dívidas.
Fizestes da caridade uma lei primordial, mas a caridade não consiste somente em socorrer o nosso semelhante nas necessidades, mas também no esquecimento e perdão das ofensas. Com que direito reclamaríamos a vossa misericórdia, quando a não tivéssemos com aquele de quem temos queixas?
Dái-nos, ó meu Deus, as forças para abafar em nossa alma os ressentimentos, o ódio e o rancor. Permiti que a morte não nos surpreenda com desejos de vingança no coração. Se vos aprouver retirar-nos hoje mesmo daqui, fazei com que nos possamos apresentar diante de vós puros de qualquer animosidade, a exemplo do Cristo, suas últimas palavras foram de perdão para os seus algozes.
As perseguições que os maus nos fazem experimentar constitui parte das nossas provações terrestres. Devemos aceitá-las sem queixume, como a todas as demais provas, nunca maldizendo os que, por maldade, nos barram o caminho da felicidade eterna, pois dissestes pela boca de Jesus que eram bem aventurados os que sofressem por amor da justiça. Bendigamos a mão que nos fere e nos humilha, pois os matadores do corpo nos fortalecem a alma, e nós seremos exaltados pela nossa humildade.
Bendito seja o vosso nome, Senhor, por nos haverdes ensinado que a nossa sorte não está irrevogavelmente fixada depois da morte, pois que acharemos em outras existências os meios de resgatar as faltas do passado, e de efetuar em nova vida o que não pudermos aqui fazer pelo nosso adiantamento.
Por esse meio se explicam todas as anomalias aparentes da vida. Essa luz projetada sobre o nosso passado, sobre o futuro, é o sinal luminoso da vossa soberana justiça e infinita bondade.

(1) Determinismo – Hipótese ou teoria segundo a qual as condições ambientais são os fatores determinantes das variações nas formas de organização social e nas configurações culturais.
(2)  Estocástico: Determinado pelas leis da probabilidade; aleatório.


· Fontes: – A Faxina – A Gênese – A vida Além da Sepultura – Ação e Reação – Cartas de um Morto Vivo – Nas Brumas da Mente – Nos Domínios da Mediunidade – O Evangelho das Recordações – O Livro dos Espíritos – O Perispírito e suas Modelações –  Preces  do Evangelho – S.O.S  Família – Violetas na Janela – Web








quarta-feira, 12 de novembro de 2014

TEORIA - DESENCARNAÇÃO COLETIVA


Destino ou Fatalidade?

 Borborema, cidade com 15 mil habitantes, viveu clima de luto e comoção pela morte de 11 moradores da cidade em um grave acidente na Rodovia Leônidas Pacheco Ferreira (SP-304) em Ibitinga (SP) na noite de segunda-feira (27/10/2014). O ônibus levava estudantes e professores da Escola Estadual "Dom Gastão Liberal Pinto", em Borborema (SP). Eles voltavam de uma excursão em São Paulo e seguiam para a cidade de origem pela rodovia quando houve uma colisão contra uma carreta.
Segundo informações da polícia, o ônibus foi atingido por uma carreta que seguia no sentido contrário. O impacto foi tão forte que o ônibus teve a lateral arrancada.
Os passageiros foram arremessados na rodovia e morreram na hora. Após a batida, a carreta, que transportava óleo vegetal, pegou fogo, que foi controlado somente duas horas depois pelas equipes do Corpo de Bombeiros.
As causas do acidente ainda serão apuradas, contudo, minha versão é que a falta de sinalização de solo pode ter contribuído para o desastre. Dias antes transitando pela mesma rodovia notei ausência, em muitos trechos, de sinais de transito, devido às obras e melhorias naquela faixa de rolamento.
Como o sinistro foi muito comentado pela imprensa e por ter se tornado assunto de questionamentos em nosso Centro, optamos por elaborar esta pauta como objeto de estudos e, para isso,  nos servindo da literatura que a Doutrina oferece.

"Esta vida é uma viagem. Pena eu estar só de passagem".
 José Vinicius Anzolin


Em ocorrências como esta, são comuns as pessoas se perguntarem quais seriam as causas de sua origem, suas razões e porque Deus não as teria poupado. Por que algo tão terrível acontece e mata em grande número, sem escolher idade, sexo, raça ou religião? Muitos acreditam que é má sorte; para outros é um castigo; alguns pensam que funciona por acaso, obras do destino, uma fatalidade.
Mas o que sobre isto diz a Doutrina Espírita? Qual é a sua explicação sobre o assunto?
 O Espiritismo explica com grande consistência que cada um recebe de acordo com suas obras, porque todos nós estamos sujeitos às Leis da Ação e Reação,  de Causa e Efeito, e a de Evolução e Progresso.
.
Assim, embora os acontecimentos trágicos vos pareçam ocasionais ou imprevistos, eles podem ter sido traçados pela Administração Sideral devido a uma coincidência cármica. Então ali se escolhem e se agrupam justamente criaturas cuja ficha moral as condiciona a um determinado fato, ocorrência ou acidente de resgate coletivo, ensejando-lhes a liquidação dos débitos das existências passadas.
As causas das mortes coletivas
Através da reencarnação a Doutrina Espírita mostra que há lógica nas tragédias que chocam a todos nós e que nos basta conciliar a afirmativa de Jesus de que “a cada um será dado segundo as suas obras”.
É nos dizeres de Jesus que teremos indícios de entendimento com as desencarnações coletivas provocadas pelo terremoto mais violento dos últimos quarenta anos, ocorrido no dia 26 de dezembro de 2004, que ao produzir ondas gigantescas (tsunamis), destruiu a região litorânea do Sul da Ásia, matando centenas de milhares de pessoas?
Ou, como aplicar o ensinamento do Cristo às mortes coletivas que aconteceram num incêndio de grandes proporções em uma discoteca de Buenos Aires e que provocou a morte de 175 pessoas, ou mesmo a de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, recentemente; ou aos óbitos registrados no terremoto que atingiu a cidade de Bam, no Irã, no final de 2003, que matou milhares de pessoas de todas as idades e condições sociais; ou ainda, às verificadas no acidente de avião no Egito, que provocou a morte de 148 pessoas que estavam a bordo, em 3 de janeiro de 2004? Enfim, como explicar todos esses e muitíssimos outros fatos dramáticos sob a ótica da Justiça Divina?
Para melhor entendermos a questão das expiações coletivas, o Espírito Clélia Duplantier, em "Obras Póstumas", nos dá explicações interessantes e que nos ajudam a compreender melhor o processo. Diz-nos que as mesmas leis que regem o indivíduo, também se aplicam à família, à nação, às raças, à massa dos habitantes dos mundos, que são  individualidades coletivas. Toda a falta quer do indivíduo, quer de famílias e nações, seja qual for o caráter, são expiadas em cumprimento da mesma lei.  
Em todo o ser humano há três caracteres: o do indivíduo ou do ente em si mesmo, o do membro da família e o do cidadão. Sob cada uma dessas três faces, pode ele ser criminoso ou virtuoso; isto é, pode ser virtuoso, como pai de família, e criminoso como cidadão e vice-versa; daí as situações especiais em que se acha nas existências sucessivas.     
A reparação dos erros praticados por uma família ou por certo número de pessoas é também solidária, isto é, os mesmos espíritos que erraram juntos reúnem-se para reparar suas faltas. A lei de ação e reação, nesse caso, que age sobre o indivíduo, é a mesma que age sobre a família, a nação, as raças, enfim, o conjunto de habitantes dos mundos, os quais formam individualidades coletivas.
Tal reparação se dá porque a alma, quando retorna ao Mundo Espiritual, conscientizada da responsabilidade própria faz o levantamento dos seus débitos passados e, por isso mesmo, roga os meios precisos a fim de resgatá-los devidamente.
Também, vamos encontrar no livro Chico Xavier Pede Licença, no capítulo 19, intitulado “Desencarnações Coletivas”, as sábias explicações para o fenômeno das mortes coletivas, quando o benfeitor Emmanuel responde pergunta endereçada a ele, por algumas dezenas de pessoas, em reunião pública, realizada na noite de 22/08/1972, em Uberaba, MG, e que aqui transcrevemos: “Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos de incêndios (e de quedas de aeronaves)?
Responde Emmanuel:
” Realmente, reconhecemos em Deus o Perfeito Amor, aliado à Justiça Perfeita. “E o homem, filho de Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer situação, no mais severo julgador de si próprio”. 
Como se processa a provação coletiva [resgate]?
O Mentor do Chico esclarece: “Na provação coletiva, verifica-se a convocação dos Espíritos encarnados, participantes do mesmo débito, com referência ao passado delituoso e obscuro. O mecanismo da justiça, na lei das compensações, funciona, então, espontaneamente, através dos prepostos do Cristo, que convocam os comparsas da dívida do pretérito para os resgates em comum, razão porque, muitas vezes, intitulais “doloroso caso” às circunstâncias que reúnem as criaturas mais díspares (desiguais) no mesmo acidente, que lhes ocasiona a morte do corpo físico ou as mais variadas mutilações, no quadro dos seus compromissos individuais”.
 Diante de tantos lúcidos esclarecimentos, não mais podemos ter quaisquer dúvidas de que a Justiça Divina exerce sua ação, exatamente, com todos aqueles que, em algum momento, contrariaram a harmonia da Lei de Amor e Caridade e, por isso mesmo, cedo ou tarde, defrontar-se-ão, inexoravelmente, com a Lei de Causa e Efeito, ou, se preferirem, com a máxima proferida pela sabedoria popular: “A semeadura é livre, mas, a colheita é obrigatória”.
É importante destacar que, em O Evangelho Segundo o Espiritismo, o mestre lionês assinala: "Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento, porque se passa neste mundo, seja, necessariamente, o indício de uma determinada falta: trata-se, freqüentemente, de simples provas escolhidas pelo Espírito para sua purificação, para acelerar o seu adiantamento”.
 Diante do exposto, afirmamos que a função da dor é ampliar horizontes, para, realmente, vislumbrarmos os concretos caminhos amorosos do equilíbrio. Por isso, diante dos compromissos “cármicos”, em expiações coletivas ou individuais, lembremo-nos sempre de que a finalidade da Lei de Deus é a perfeição do Espírito, e que estamos, a cada dia, caminhando nessa direção, onde o nosso esforço pessoal e a busca da paz estarão agindo a nosso favor, minimizando, ao máximo, o peso dos débitos do ontem.
 Lei de Ação e Reação
Família morre queimada - para redimir culpas passadas de diversos membros de uma família que, por vingança, incendiaram a casa de um vizinho pela madrugada, matando todos dentro da casa. Os espíritos que compunham a família criminosa, ao reencarnarem unidos novamente pelos laços consangüíneos, expiaram seus crimes num desastre, no qual o carro em que viajavam pegou fogo, morrendo todos queimados dentro do veículo.
Como se vê, cada membro da família reparou individualmente os crimes cometidos na encarnação anterior, dentro do resgate coletivo. De fato, a dor coletiva é o remédio que corrige as falhas mútuas. No entanto, cada um só é responsável pelas suas próprias faltas como determina a Justiça Divina, ou seja, como indivíduos ou como membros de uma coletividade, todos nós somos responsáveis pelos nossos atos perante as leis de Deus.
Segundo Emmanuel, nós “criamos a culpa e nós mesmos engenhamos os processos destinados a extinguir-lhe as conseqüências. E a Sabedoria Divina se vale dos nossos esforços e tarefas de resgate e reajuste a fim de induzir-nos a estudos e progressos sempre mais amplos no que diga respeito à nossa própria segurança. É por este motivo que, de todas as calamidades terrestres, o Homem se retira com mais experiência e mais luz no cérebro e no coração, para defender-se e valorizar a vida”.
Obs. - Tais apontamentos foram feitos ao final do capítulo intitulado “Desencarnações Coletivas”, no livro Chico Xavier Pede Licença, quando o benfeitor espiritual responde por que Deus permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos de incêndios.
Tragédia do Circo - No dia 17 de dezembro de 1961, na cidade de Niterói, em comovedora tragédia num circo, a justiça da lei Ação e Reação, através da reencarnação, reaproximaram os responsáveis, em diversas posições da idade física, para a dolorosa expiação, conforme relata o Espírito Humberto de Campos, pelo médium Chico Xavier, no livro Crônicas de Além Túmulo.
É ocaso do incêndio do circo em Niterói. Os que morreram no século XX foram os mesmos espíritos que, em Roma, atearam o incêndio numa arena de um circo na Gália, região da França, na época do Império Romano, onde se acotovelavam as crianças cristãs. Gasto quase dezoito séculos depois do evento escuro... No entanto, a lei de justiça reaproxima todos os responsáveis, através da reencarnação, e em diferentes idades para a expiação física dolorosa.
No ano 177 da Era Cristã, Marcus Aurelius governou o Império Romano. Mulheres, homens, crianças, idosos e os cristãos foram presos, torturados e exterminados. Veio a notícia da visita do famoso guerreiro Lucio Gallo e quem estava no poder quis homenageá-lo de forma tão grande e original, decidindo a queimar milhares de cristãos em um show à altura do visitante.
Emigrações e Imigrações dos Espíritos
Em certas épocas, reguladas pela sabedoria divina, essas emigrações se operam em massas mais ou menos consideráveis, como resultado das grandes revoluções que fazem desencarnar ao mesmo tempo, um agrupamento de seres, os quais são logo substituídas por quantidades equivalentes de encarnações. Portanto, é preciso considerar os flagelos destruidores e os cataclismos como ocasiões de partidas coletivas, meios providenciais de renovar a população corporal do globo, de a retemperar mediante a introdução de novos elementos espirituais mais purificados. Se, nessas catástrofes, há destruição de um grande número de corpos, ali não há senão vestes dilaceradas, porém nenhum Espírito perece: nada fazem senão mudar de ambiente; em lugar de partir isoladamente, partem em quantidades  –  eis toda a diferença –  pois, quanto a partir por uma causa, ou por outra, para eles não muda a fatalidade de que mais cedo ou mais tarde deverão partir.
As renovações rápidas e quase instantâneas que se operam no elemento espiritual da população, como conseqüência dos flagelos destruidores acelera o progresso social; sem as imigrações e emigrações que ocorrem de tempos a tempos não viessem dar-lhe um violento impulso, progrediria com extrema lentidão.. XET 218 – 36
Encarnação e Desencarnação dos Espíritos
Quando o Espírito deve se encarnar num corpo humano em vias de formação, um laço fluídico, que nada mais é senão uma expansão de seu perispírito, o liga ao germe em cuja direção ele se sente atraído por uma força irresistível desde o momento da concepção. À medida que o germe se desenvolve, firma-se o laço; sob influência do princípio vital material do germe, o perispírito, que possui certas propriedades da matéria, se une, molécula por molécula, ao corpo que o forma; daí se pode dizer que o Espírito, por intermédio de seu perispírito, de alguma forma toma raiz no germe como uma planta na terra. Quando o germe está inteiramente desenvolvido, a união é completa, e então ele nasce para a vida exterior.
Por efeito contrário, esta união do perispírito e da matéria carnal, que se havia realizado sob a influência do princípio vital do germe, quando esse princípio cessa de agir em resultado da desorganização do corpo, a união, que apenas era mantida por uma força atuante, cessa quando essa força cessa de agir; então o Espírito se solta, molécula por molécula, como um dia se uniu, e o Espírito recupera sua liberdade. Assim, não é a partida do Espírito que causa a morte do corpo, mas a morte do corpo que causa a partida do espírito.
Desde o instante posterior à morte, a integridade do Espírito é total; suas faculdades adquirem mesmo uma penetração maior, ao passo que o princípio da vida se extingue no corpo, e isto é prova evidente de que o princípio vital e o princípio espiritual são duas coisas distintas.
O Espiritismo nos ensina, pelos fatos que nos proporciona à observação, os fenômenos que acompanham essa separação; ela é algumas vezes rápida, fácil, doce e insensível; outras vezes é lenta, laboriosa, horrivelmente penosa, segundo o estado moral do Espírito, e pode durar meses inteiros.
Separação da Alma e do Corpo
Da Separação: Assemelha-se este fenômeno ao dos sonâmbulos inexperientes, que não crêem estar dormindo. Para eles, o sono é sinônimo de suspensão das faculdades; ora, como pensam livremente e podem ver, não acham que estejam dormindo. Alguns Espíritos apresentam esta particularidade, embora a morte não os tenha colhido inopinadamente; mas ela é sempre mais generalizada entre os que, apesar de doentes, não pensavam em morrer. Vê-se então o espetáculo singular de um Espírito que assiste aos próprios funerais como os de um estranho, deles falando como de uma coisa que não lhe dissesse respeito, até o momento de compreender a verdade.
LE - 161. Na morte violenta ou acidental, quando os órgãos ainda não se debilitaram pela idade ou pelas doenças, a separação da alma e a cessação da vida se verificam simultaneamente?
— Geralmente é assim; mas, em todos os casos, o instante que os separa é muito curto.
No momento da morte, tudo, a princípio, é confuso; a alma necessita de algum tempo para se reconhecer; sente-se como atordoada, no mesmo estado de um homem que saísse de um sono profundo e procurasse compreender a sua situação. A lucidez das idéias e a memória do passado lhe voltam à medida que se extingue a influência da matéria de que se desprendeu, e que se dissipa essa espécie de nevoeiro que lhe turva os pensamentos.
Do livro Ação e Reação um relato socorrista de Andre Luiz, como segue:
Acidente: O socorro no avião sinistrado é distribuído indistintamente, contudo, não podemos esquecer que se o desastre é o mesmo para todos os que tombaram, a morte é diferente para cada um. No momento serão retirados da carne tão somente aqueles cuja vida interior lhes outorga a imediata liberação. Quanto aos outros, cuja situação presente não lhes favorece o afastamento rápido da armadura física, permanecerão ligados, por mais tempo aos despojos que lhes dizem respeito.
Quantos dias?
Depende do grau de animalização dos fluidos que lhes retém o Espírito à atividade corpórea – respondeu-nos o mentor. Alguns serão detidos por algumas horas, outros, talvez, por longos dias... Quem sabe? Corpo inerte nem sempre significa libertação da alma. O gênero de vida que alimentamos no estágio físico, dita as verdadeiras condições de nossa morte. Quanto mais chafurdamos o ser nas correntes de baixas ilusões, mais tempo gastamos para esgotar as energias vitais que nos aprisionam à matérias e primitiva de que se nos constitui a instrumentação fisiológica, demorando-nos nas criações mentais inferiores a que nos ajustamos, nelas encontrando combustível para dilatados enganos nas sombras do campo carnal, propriamente considerado. E quanto mais nos submetamos às disciplinas do espírito, que nos aconselham equilíbrio e sublimação mais ampla facilidades conquistaremos para a exoneração da carne em quaisquer emergências de que não possamos fugir por força dos débitos contraídos perante a Lei. Assim é que “morte física” não é o mesmo que “emancipação espiritual”. – XVL 241 / 251
Pós Morte
Cordão prateado - Às vezes, não convém à brusca libertação para a alma passar a atuar imediatamente no mundo astral, pois esse mundo é demasiadamente sutil e plástico às emissões do pensamento, que amplifica e super-excita todos os quadros mentais que ainda se mantêm desordenadamente no perispírito do desencarnado. A permanência mais demorada junto ao corpo físico, embora este se encontre em estado cadavérico, ainda favorece o perispírito no seu intercâmbio energético com o vitalismo natural do meio físico, que flui da própria carne densa e se dissocia (*) no conhecido fenômeno de radiação dispersiva, tão comum a certos minerais, embora suas moléculas de ferro, sódio, magnésio, flúor e cálcio e outras sejam aglutinadas no sangue por processos diferentes. – XTV 154 / 163 – (*) Processo no qual as moléculas de uma substância sofrem quebra de ligações químicas e separam-se em partes menores (íons ou radicais livres
Visto que a matéria é energia condensada – o que já é o conceito científico do vosso mundo – assim que começa a dissolução do corpo físico, essa energia até então acumulada tende a se libertar o mais rapidamente possível; então, o perispírito – centro energético que atua em plano vibratório mais sutil – faz o aproveitamento automático do magnetismo energético que se irradia do cadáver que foi o seu instrumento vivo no mundo físico.
De modo contrário, a liberdade imediata do espírito no Astral faria recrudescerem, agravarem  vigorosamente as suas evocações mentais, sem o auxilio do corpo físico para atenuá-las no aguçamento psíquico. É óbvio que o espírito benfeitor e a alma cristianizada podem dispensar esses cuidados e as fases de adaptações gradativas ao mundo  astral porque, mesmo encarnados, já estão ligados as regiões superiores de Paz e Ventura, das quais tomam posse definitiva após a morte física. São almas que, por se constituírem em abençoados núcleo s de luz e energia superiores, dissolvem os mantos das trevas por onde transitam.
Brusca - É evidente que, em caso de incêndio ou explosão – supondo-se que o corpo do acidentado se desintegre por força de gases ou chamas - a libertação do perispírito se faz de modo súbito e, conseqüentemente, o “cordão prateado” se rompe ao expelir os resíduos vitais que se intercambiavam do perispírito para o corpo físico - XTV 161 / 163
Da Perturbação
A perturbação que se segue à morte nada tem de penosa para o homem de bem: é calma e em tudo semelhante à que acompanha um despertar tranqüilo. Para aquele cuja consciência não está pura é cheia de ansiedades e angústias.
Nos casos de morte coletiva observou-se que todos os que pereceram ao mesmo tempo nem sempre se revêem imediatamente. Na perturbação que se segue à morte cada um vai para o seu lado ou só se preocupa com aqueles que lhe interessam.
LE - 163. Deixando o corpo, a alma tem imediata consciência de si mesma?
— Consciência imediata não é o termo: ela fica perturbada por algum tempo.
LE - 164. Todos os Espíritos experimentam, no mesmo grau e pelo mesmo tempo, a perturbação que se segue à separação da alma e do corpo?
— Não, pois isso depende da sua elevação. Aquele que já está depurado se reconhece quase imediatamente, porque se desprendeu da matéria durante a vida corpórea, enquanto o homem carnal, cuja consciência não é pura, conserva por muito tempo mais a impressão da matéria.
LE - 165. O conhecimento do Espiritismo exerce alguma influência sobre a duração maior ou menor da perturbação?
— Uma grande influência, pois o Espírito compreende antecipadamente a sua situação; mas a prática do bem e a pureza de consciência são o que exerce maior influência.
A duração da perturbação de após morte é muito variável: pode ser de algumas horas, como de muitos meses e mesmo de muitos anos. Aqueles em que é menos longa são os que se identificaram durante a vida com o seu estado futuro, porque então compreendem imediatamente a sua posição.
Essa perturbação apresenta circunstâncias particulares, segundo o caráter dos indivíduos e sobre tudo de acordo com o gênero de morte. Nas mortes violentas, por suicídio, suplício, acidente, apoplexia, ferimentos, etc., o Espírito é surpreendido, espanta-se, não acredita que esteja morto e sustenta teimosamente que não morreu. Não obstante, vê o seu corpo, sabe que é dele, mas não compreende que esteja separado. Procura as pessoas de sua afeição, dirige-se a elas e não entende por que não o ouvem. Esta ilusão mantém-se até o completo desprendimento do Espírito, e somente então ele reconhece o seu estado e compreende que não faz mais parte do mundo dos vivos.
Esse fenômeno é facilmente explicável. Surpreendido pela morte imprevista, o Espírito fica aturdido com a mudança brusca que nele se opera. Para ele, a morte é ainda sinônimo de destruição, de aniquilamento; ora, como continua a pensar, como ainda vê e escuta, não se considera morto. E o que aumenta a sua ilusão é o fato de se ver num corpo semelhante ao que deixou na terra, cuja natureza etérea ainda não teve tempo de verificar. Ele o julga sólido e compacto como o primeiro, e quando se chama a sua atenção para esse ponto, admira-se de não poder apalpá-lo.
Fatalidade
LE - 851. Há uma fatalidade nos acontecimentos da vida, segundo o sentimento ligado a essa palavra; quer dizer, todos os acontecimentos são predeterminados, e nesse caso em que se torna o livre-arbítrio?
— A fatalidade só existe no tocante à escolha feita pelo Espírito, ao se encarnar, de sofrer esta ou aquela prova; ao escolhê-la ele traça para si mesmo uma espécie de destino, que é a própria conseqüência da posição em que se encontra. Falo das provas de natureza física, porque, no tocante às provas morais e às tentações, o Espírito, conservando o seu livre-arbítrio sobre o bem e o mal, é sempre senhor de ceder ou resistir. Um bom Espírito, ao vê-lo fraquejar, pode correr em seu auxílio, mas não pode influir sobre ele a ponto de subjugar-lhe a vontade. Um Espírito mau, ou seja, inferior, ao lhe mostrar ou exagerar um perigo físico, pode abalá-lo e assustá-lo, mas a vontade do Espírito encarnado não fica por isso menos livre de qualquer entrave.
LE - 852. Há pessoas que parecem perseguidas por uma fatalidade, independentemente de sua maneira de agir; a desgraça está no seu destino?
— São talvez, provas que devem sofrer e que elas mesmas escolheram. Ainda uma vez levais à conta do destino o que é quase sempre a conseqüência de sua própria falta. Em meio dos males que te afligem, cuida que a tua consciência esteja pura e te sentirás meio consolado.
LE - 853. Certas pessoas escapam a um perigo mortal para cair em outro; parecem que não podem escapar à morte. Não há nisso fatalidade?
— Fatal, no verdadeiro sentido da palavra, só o instante da morte. Chegando esse momento, de uma forma ou de outra, a ele não podeis furtar-vos.
LE -853-a. Assim, qualquer que seja o período que nos ameace, não morreremos se a nossa hora não chegou?
— Não, não morrerás, e tens disso milhares de exemplos. Mas quando chegar a tua hora de partir, nada te livrará. Deus sabe com antecedência qual o gênero de morte porque partirás daqui, e freqüentemente teu Espírito também o sabe, pois isso lhe foi revelado quando fez a escolha desta ou daquela existência.
LE - 854. Da infalibilidade da hora da morte segue-se que as precauções que se tomam para evitá-las são inúteis?
— Não, porque as precauções que tomais vos são sugeridas com o fim de evitar uma morte que vos ameaça; é um dos meios para que ela não se verifique.
LE - 855. Qual o fito da Providência ao fazer-nos correr perigos que não devem ter conseqüências?
— Quando tua vida se encontra em perigo é essa uma advertência que tu mesmo desejaste, a fim de te desviar do mal e te tornar melhor. Quando escapas a esse perigo, ainda sob a influência do risco porque passaste, pensas com maior ou menor intensidade, sob a ação mais ou menos forte dos bons Espíritos, em te tornares melhor. O mau Espírito retornando (digo mau, subentendendo o mal que ainda nele existe), pensas que escaparás da mesma maneira a outros perigos e deixas que as tuas paixões se desencadeiem de novo. Pelos perigos que correis, Deus vos recorda a vossa fraqueza e a fragilidade de vossa existência. Se examinarmos a causa e a natureza do perigo veremos que, na maioria das vezes, as conseqüências foram a punição de uma falta cometida ou de um dever negligenciado. Deus vos adverte para refletirdes sobre vós mesmos e vos emendardes. (Ver os itens 526 a 532).(1)
LE - 859. Se a morte não pode ser evitada quando chega a sua hora, acontece o mesmo com todos os acidentes no curso da nossa vida?
— São, em geral, coisas demasiado pequenas, das quais podemos prevenir-vos dirigindo o vosso pensamento no sentido de as evitardes, porque não gostamos do sofrimento material. Mas isso é de pouca importância para o curso da vida que escolhestes. A fatalidade, na verdade, só consiste nestas duas horas: a em que deveis aparecer e desaparecer deste mundo.
LE - 859-a. Há fatos que devem ocorrer forçosamente e que a vontade dos Espíritos não pode planejar?
— Sim, mas que tu, quando no estado de Espírito, viste e pressentiste, ao fazer a tua escolha. Não acrediteis, porém, que tudo o que acontece esteja escrito como se diz. Um acontecimento é quase sempre a conseqüência de uma coisa que fizeste por um ato de sua livre vontade, de tal maneira que, se não tivésseis praticado aquele ato, o acontecimento não se verificaria. Se queimas o dedo, isso é apenas a conseqüência de tua imprudência e da condição da matéria. Somente as grandes dores, os acontecimentos importantes e capazes de influir na tua evolução moral são previstos por Deus, porque são úteis à tua purificação e à tua instrução.

LE - 860. Pode o homem, por sua vontade e pelos seus atos, evitar acontecimentos que deviam realizar-se e vice-versa?
— Pode desde que esse desvio aparente possa caber na ordem geral da vida que ele escolheu. Além disso, para fazer o bem, como é do seu dever e único objetivo da vida, ele pode impedir o mal, sobretudo aquele que pudesse contribuir para um mal ainda maior.
LE - 861. O homem que comete um assassinato sabe, ao escolher a sua existência, que se tornará assassino?
— Não. Sabe apenas que ao escolher uma vida de lutas terá a probabilidade de matar um de seus semelhantes, mas ignora se o fará ou não, porque estará quase sempre nele tomar a deliberação de cometer o crime. Ora, aquele que delibera sobre alguma coisa é sempre livre de fazê-la ou não. Se o espírito soubesse com antecedência que, como homem, devia cometer um assassínio, estaria predestinado a isso. Sabei, então, que não há ninguém predestinado ao crime e que todo crime, como todo e qualquer ato, é sempre o resultado da vontade e do livre-arbítrio. De resto, sempre confundis duas coisas bastante distintas, os acontecimentos materiais da existência e os atos da vida moral. Se há fatalidade, às vezes, é apenas no tocante aos acontecimentos materiais, cuja causa está fora de vós e que são independentes da vossa vontade. Quanto aos atos da vida moral, emanam sempre do próprio homem, que tem sempre, por conseguinte, a liberdade de escolha: para os seus atos não existe jamais a fatalidade.
LE - 862. Há pessoas que nunca conseguem êxito e que um mau gênio parece perseguir, em todos os seus empreendimentos. Não é isso o que podemos chamar fatalidade?
— Pode ser fatalidade, se assim o quiseres, mas decorrente da escolha do gênero de existência, porque essas pessoas quiseram ser experimentadas por uma vida de decepções a fim de exercitarem a sua paciência e a sua resignação. Não creias, entretanto, que seja isso o que fatalmente acontece; muitas vezes é apenas o resultado de haverem elas tomado um caminho errado, que não está de acordo com a sua inteligência e as suas aptidões. Aquele que quer atravessar um rio a nado, sem saber nadar, tem grande probabilidade de morrer afogado. Assim acontece na maioria das ocorrências da vida. Se o homem não empreendesse mais do que aquilo que está de acordo com as suas faculdades, triunfaria quase sempre; o que o perde é o seu amor-próprio e a sua ambição, que o desviam do caminho para tomar por vocação o simples desejo de satisfazer certas paixões. Então fracassa e a culpa é sua, mas em vez de reconhecer o erro prefere acusar a sua estrela. Há o que teria sido um bom operário, ganhando honradamente a vida, mas se fez mau poeta e morre de fome. Haveria lugar para todos, se cada um soubesse ocupar o seu lugar.
LE - 866. Então, a fatalidade que parece presidir aos destinos do homem na vida material seria também resultado do nosso livre-arbítrio?
— Tu mesmo escolheste a tua prova; quanto mais rude ela for, se melhor a suportas, mais te elevas. Os que passam a vida na abundância e no bem-estar são Espíritos covardes que permanecem estacionários. Assim, o número dos infortunados supera de muito o dos felizes do mundo, visto que os Espíritos procuram, na sua maioria, as provas que lhes sejam mais frutuosas. Eles vêem muito bem a futilidade de vossas grandezas e dos vossos prazeres. Aliás, a vida mais feliz é sempre agitada, sempre perturbada: não seria assim pela ausência da dor. (Ver itens 525 e seguintes).

LE- 872 -

A fatalidade, como vulgarmente é entendida, supõe a decisão prévia e irrevogável de todos os acontecimentos da vida, qualquer que seja a sua importância. Se assim fosse, o homem seria uma máquina destituída de vontade. Para que lhe serviria a inteligência, se ele fosse invariavelmente dominado, em todos os seus atos, pelo poder do destino? Semelhante doutrina, se verdadeira, representaria a destruição de toda liberdade para o homem, nem mal, nem crime, nem virtude. Deus, soberanamente justo, não poderia castigar as suas criaturas por faltas que não dependiam delas, nem recompensá-las por virtudes de que não teriam mérito. Semelhante lei seria ainda a negação da lei do progresso, porque o homem que tudo esperasse da sorte nada tentaria fazer para melhorar a sua posição, desde que não poderia torná-la melhor nem pior.
A fatalidade não é, entretanto, uma palavra vã; ela existe no tocante à posição do homem na Terra e às funções que nela desempenha como conseqüência do gênero de existência que seu Espírito escolheu como prova, expiação ou missão. Sofre ele, de maneira fatal, todas as vicissitudes dessa existência e todas as tendências boas ou más que lhe são inerentes. Mas a isso se reduz a fatalidade, porque depende de sua vontade ceder ou não a essas tendências. Os detalhes dos acontecimentos estão na dependência das circunstâncias que ele mesmo provoque, com os seus atos, e sobre os quais podem influir os Espíritos, através dos pensamentos que lhe sugerem. (Ver item 459).
A fatalidade está, portanto, nos acontecimentos que se apresentam ao homem como conseqüência da escolha de existência feita pelo Espírito; mas pode não estar no resultado desses acontecimentos, pois pode depender do homem modificar o curso das coisas, pela sua prudência; e jamais se encontra nos atos da vida moral.
É na morte que o homem é submetido, de uma maneira absoluta, à inexorável lei da fatalidade, porque ele não pode fugir ao decreto que fixa o termo de sua existência, nem ao gênero de morte que deve interromper-lhe o curso.
Segundo a doutrina comum, o homem tiraria dele mesmo todos os seus instintos; estes procederiam, seja da sua organização física, pela qual ele seria responsável, seja da sua própria natureza, na qual pode procurar uma escusa para si mesmo, dizendo que não é sua a culpa de haver sido feito assim.
Influência dos Espíritos sobre os Acontecimentos da Vida
LE - 526. Tendo os Espíritos ação sobre a matéria, podem provocar certos efeitos com o fim de produzir um acontecimento? Por exemplo, um homem deve perecer: sobe então a uma escada, esta se quebra e ele morre. Foram os Espíritos que fizeram quebrar a escada para que se cumpra o destino desse homem?
— É bem verdade que os Espíritos têm influência sobre a matéria, mas para o cumprimento das leis da natureza e não para as derrogar, fazendo surgir em determinado ponto um acontecimento inesperado e contrário a essas leis. No exemplo que citas, a escada se quebra porque está carunchada ou não era bastante forte para suportar o peso do homem; se estivesse no destino desse homem morrer dessa maneira, eles lhe inspirariam o pensamento de subir na escada que deveria quebrar-se com o seu peso e sua morte se daria por um motivo natural, sem necessidade de um milagre para isso.
LE - 527. Tomemos outro exemplo, no qual não intervenha o estado natural da matéria. Um homem deve morrer de raio: esconde-se em baixo de uma árvore, o raio estala e ele morre. Os Espíritos poderiam ter provocado o raio, dirigindo-o sobre ele?
— É ainda a mesma coisa. O raio explodiu sobre aquela árvore e naquele momento porque o fato estava nas leis da Natureza. Não foi dirigido para a árvore porque o homem lá se encontrava, mas ao homem foi dada a inspiração de se refugiar numa árvore, sobre a qual ele deveria explodir. A árvore não seria menos atingida se o homem estivesse ou não sob ela.
LE - 528. Um homem mal intencionado dispara um tiro contra outro, mas o projétil passa apenas de raspão, sem o atingir. Um Espírito benfazejo pode ter desviado o tiro?
— Se o indivíduo não deve ser atingido, o Espírito benfazejo lhe inspira o pensamento de se desviar, ou ainda poderá ofuscar o seu inimigo de maneira a lhe perturbar a pontaria; porque o projétil, uma vez lançado, segue a linha da sua trajetória.
Conclusão                                                               
Diz Allan Kardec, nos comentários da questão 738 de O Livro dos Espíritos, que “venha por um flagelo à morte, ou por uma causa comum, ninguém deixa por isso de morrer, desde que haja soado a hora da partida. A única diferença, em caso de flagelo, é que maior número parte ao mesmo tempo”.
E finalmente, segundo esclareceram os Espíritos Superiores a Allan Kardec, na resposta à questão 740 de O Livro dos Espíritos, “os flagelos são provas que dão ao homem ocasião de exercitar a sua inteligência, de demonstrar sua paciência e resignação ante a vontade de Deus e que lhe oferecem ensejo de manifestar seus sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo, se o não domina o egoísmo”.

Fontes: – A Gênese – A Vida Além da Sepultura – Ação e Reação – Livro dos Espíritos – O perispírito e suas modelações  –  O sublime Peregrino  –  Web