terça-feira, 10 de maio de 2016

FATO - PARABÉNS FILHO

PARABÉNS FILHO
Pintura Mediúnica - 
Médium : Eunice <> Centro Espírita Seara de Luz - Iporá - GO
Realizado nas dependências do Centro Espirita Amor e Fraternidade - Catanduva - SP


De repente, a motivação para esta página. Um episódio ocorrido no dia 07/05/2016, no Centro Espírita Amor e Fraternidade. Véspera do dia das Mães e ante-véspera do meu  aniversário.

Setenta anos de vida!  Não me lembro de que em aniversário algum minha Mãe não me tenha cumprimentado, este seria o primeiro. Se eu não a visitava dela eu recebia uma ligação telefônica com o objetivo único de parabenizar-me.

No final desta semana, como hábito, comemorávamos o dia das Mães. O Centro Espírita Amor e Fraternidade, em mais um ano, contemplava a magnitude Divina homenageando as Mães.

Na pauta, um elo a mais. Para que a tarde fosse festiva, comemoraríamos meu aniversário que transcorreria na segunda-feira imediata: estávamos nos reunindo no sábado.

Adentrei no Centro, onde confrades e confreiras já se faziam presentes. Caminhava por um corredor aberto e que me levaria ao espaço coberto onde nos reuniríamos. Algumas crianças estavam perfiladas e sorridentes, naquela passagem; seriam dez, doze ou quinze, talvez. Pisei “em ovos” para não tropeçar nos pequeninos que me cercavam ao passar por eles. Grato prazer naquele corredor: eu visualizava crianças em toda a sua extensão, mais espíritos do que encarnados. Lembro-me, agora,  do Evangelho e da multiplicação dos Pães e Peixes: Vi, eu diria, ao todo, quase uma centena de sorridentes crianças. Bendita clarividência.

A tarde foi festiva. João Paulo e Alexandre, amigos lá de Barretos, presentes ao evento, por simpatia, nos trouxeram belas cantorias da musica sertaneja. Pudesse, os teria sempre a alegrar nossas reuniões festivas.

Em todos, a expressão de felicidade lhes estampava o rosto.

A oratória seria de improviso, nada havíamos programado que não fosse a expressão pura dos sentimentos. 

Emocionado e já embevecido pedi ao Marcos iniciasse a oratória fazendo as homenagens as Mães pela data. Falava ele com propriedade, quando desdobrado fui “arrebatado” aos céus e para minha felicidades estava sendo transportado em espirito à presença daquela que fora minha Mãe em vida, falecida aproximadamente há um ano. 

Um abraço pelo seu dia, disse-lhe eu. Ela, como sempre o fizera em vida, me respondeu: Parabéns Filho. 

Assim, dela, mais um ano recebi suas felicitações pelo meu aniversário.

2 comentários:

Patricia De Cassia Cunha disse...

Nossa que lindo sr. Ribeiro, me emocionei com seu relato, também não tenho minha mãe no plano físico, mas sei que no plano espiritual sempre nos reencontramos e sempre é muito emocionante! Um abraço Fraterno!

Maria Rosangela de Brito disse...

Nossa que maravilha.